quarta-feira, 8 de março de 2017

Virando a mesa!


              Enquanto o líder supremo iraniano convoca uma “santa intifada” para erradicar Israel, judeus de todas as partes do mundo podem ser encorajados com uma virada de mesa contra um homem daquela mesma região, quando ele fez uma ameaça similar.
              À medida que nos aproximamos da festa judaica anual de Purim, relembramos o plano de destruir todos os judeus que viviam no antigo e vasto Império Persa. O homem por trás de tudo era Hamã, assessor político do rei Xerxes (Assuero), mas graças à intervenção da rainha Ester, seu plano foi finalmente frustrado e a forca que ele havia construído para seu inimigo judeu Mordecai (primo e guardião da linda e jovem rainha) foi usada para ele mesmo.
              Da mesma forma, hoje, aqueles que tomam partido com o mundo islâmico em oposição a Israel estão construindo a sua própria forca.
              Descrevendo Israel como um “tumor cancerígeno”, o líder supremo do Irã, o aiatolá Khamenei, disse que a comunidade internacional está indo rumo a um confronto com o “Regime Sionista”.
              Mas como Barry Segal, do Jerusalem News Network colocou: “Na verdade, é o Irã que está indo rumo a um confronto com a comunidade internacional com seu apoio ao terrorismo global, sua ambição nuclear e seu diálogo odioso contra Israel e os Estados Unidos.
              Mordecai soube do plano de 500 a.C. de destruir os judeus e conseguiu convencer Ester a aproximar-se do rei em nome do seu povo, mesmo sendo contra o protocolo fazê-lo sem ser convocado.
              “Então Mardoqueu mandou que respondessem a Ester: Não imagines no teu íntimo que, por estares na casa do rei, escaparás só tu entre todos os judeus.” (Ester 4:13). Advertiu Mordecai (Mardoqueu). “Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento de outra parte sairá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino?” (Ester 4:14)
              Então Ester resolver arriscar sua vida em favor de seus irmãos judeus, dizendo: “se perecer, pereci”. (Ester 4:16)
              O Irã dos dias atuais faz parte da antiga Pérsia e sua ameaça contra Israel possui todas as características do espírito de Hamã, com sucessivos líderes prometendo riscar o Estado Judaico do mapa e se gabando de mísseis capazes de atingir Tel Aviv em 7 minutos. E em todo o tempo eles continuam trabalhando em sua capacidade nuclear.
               Mas, como Hamã, seus planos se voltarão contra eles mesmos, como deixa claro a Bíblia, nos últimos dias, muitas nações atacarão Israel e como resultado sofrerão o juízo de Deus (Joel 3:2 e Zacarias 14:2 em diante).
              Graças a Deus, algumas Esters atuais estão se levantando contra os meninos valentões. A nova embaixatriz americana para a ONU, Nikki Haley, falando ao Conselho de Seguranda das Naçoes Unidas, disse que “sua dupla moral é de tirar o fôlego”. Declarando que os EUA estavam determinados a enfrentar o viés anti-Israel da ONU, ela disse que a abordagem preconceituosa das questões israelenses-palestinas “não tem relação com a realidade do mundo à nossa volta”. (O governo Trump indicou que pode retirar os Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos da ONU devido à sua parcialidade em relação a Israel, o que até o Secretário Geral, Ban Ki-Moon, admitiu ter acontecido.)
              Quem também vem  demonstrando ter qualidades de Ester é a primeira dama dos Estados Unidos, Melania Trump, que audaciosamente liderou em um comício na Flórida a oração do Pai Nosso.
              A Ester da Inglaterra surgiu na forma de uma bela jovem chamada Aisling Hubert, que tem pagado um alto preço por se posicionar a favor do feto, dos quais 8 milhões foram mortos desde que a Lei do Aborto foi aprovada no Reino Unido, há 50 anos. Aisling acusou legalmente dois médicos que foram filmados secretamente oferecendo aborto de gênero. Mas o poder público decidiu que o caso não era de interesse público e os médicos foram indenizados. Um acordo foi feito e eles receberam uma grande quantia.
              Maria, a mãe de Yeshua, desempenhou um papel de Ester ao carregar o Messias, a quem o diabo tentou destruir ao nascer, com o decreto de Herodes de matar todo recém nascido menino da cidade de Belém, em um ato de desespero a fim de impedir que sua coroa fosse passada a um novo rei (Apocalipse 12:4 e Mateus 2:16).
              No fim, sua alma foi perfurada com uma espada, como cumprimento da profecia de Simeão (Lucas 2:35), ao ver seu filho sendo crucificado, aos 33 anos.
              Porém, na plenitude do tempo perfeito de Deus, e apenas uma geração antes que os judeus fossem espalhados pela brutalidade romana, Yeshua a si mesmo se entregou para morrer em favor de seu povo e de todos os que, metaforicamente falando, marcariam as portas dos seus corações com o sangue do Cordeiro.
              “Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” (Isaías 53:5)
              Verdadeiramente, Yeshua é o Messias judeu que veio ao resgate do seu povo nestes últimos dias. Dêem-lhe as boas-vindas antes do grande dia em que os seus pés ficarão no Monte das Oliveiras, na Jerusalém oriental (Zacarias 14:4).
              Fonte: Israel Today